Perfil das vítimas de acidentes de trânsito em uma cidade do norte de Minas Gerais

Palavras-chave: Acidente de trânsito. Epidemiologia. SAMU. Sistema de informação em saúde.

Resumo

Objetivo: este estudo teve como objetivo caracterizar os acidentes de trânsito na cidade de Montes Claros, Minas Gerais, em 2016. Materiais e Métodos: realizou-se um estudo documental, descritivo, retrospectivo com abordagem quantitativa que abrangeu todas as vítimas de acidente de trânsito atendidas pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência em Montes Claros, de acordo com os registros de dados obtidos nas Fichas de Regulação Médica do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência. Resultados: os resultados demonstram que foram socorridas 3.074 vítimas. Destes registros, 92,6% das ocorrências foram acionadas pela Unidade de Suporte Básico, grande parte relacionada ao sexo masculino que representa 65,1%, na faixa etária entre 20 e 59 anos (84,1%). Conclusão: ao retratar as características dos acidentes de trânsito, conclui-se que são, em sua maioria, vítimas atendidas pela Unidade de Suporte Básico, a faixa etária mais acometida são os adultos jovens entre 20 e 59 anos e o sexo masculino está mais frequentemente envolvido nas ocorrências.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Código de Trânsito Brasileiro. Lei n° 9.503 de 23/12/1997. Acesso em 13 mar. 2015. Available from: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9503.htm

Abreu DROM, Souza EM, Mathias TAF. Impacto do Código de Trânsito Brasileiro e da Lei Seca na mortalidade por acidentes de trânsito. Cad saúde pública. 2018;34(8):e00122117. Available from: 1678-4464-csp-34-08-e00122117.pdf (scielo.br)

Andrade FR, Antunes JLF. Tendência do número de vítimas em acidentes de trânsito nas rodovias federais brasileiras antes e depois da Década de Ação pela Segurança no Trânsito. Cad saúde pública. 2019;35(8):e00250218. Available from: https://www.scielo.br/pdf/csp/v35n8/1678-4464-csp-35-08-e00250218.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.010, de 21 de maio de 2012. Redefine as diretrizes para a implantação do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU 192) e sua Central de Regulação das Urgências, componente da Rede de Atenção às Urgências. Diário Oficial da União. Brasília, 2012. Available from: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2012/prt1010_21_05_2012.html

Mendonça MFS, Silva APSC, Castro CLC. Análise espacial dos acidentes de trânsito urbano atendidos pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência: um recorte no espaço e no tempo. Rev bras epidemiol. 2017;20(4): 727-41. Available from: https://scielosp.org/pdf/rbepid/2017.v20n4/727-741/pt

Rios PAAR, Mota ELA, Ferreira LN, Cardoso JP, Ribeiro VM, Souza BS. Fatores associados a acidentes de trânsito entre condutores de veículos: achados de um estudo de base populacional. Ciênc saúde coletiva, 25(3):943-55, 2020. Available from: 1413-8123-csc-25-03-0943.pdf (scielo.br)

O’dwyer G.O, Mattos RA. Cuidado integral e atenção as urgências: o serviço de atendimento móvel de urgência do Estado do Rio de Janeiro. Saúde soc. 2013;22(1):199-210. Available from: https://www.scielo.br/pdf/sausoc/v22n1/18.pdf

Oliveira ZC, Mota ELA, Costa MCN. Evolução dos acidentes de trânsito em um grande centro urbano, 1991-2000. Cad saúde pública. 2008 fev; 24(2):364-72. Available from: https://www.scielo.br/pdf/csp/v24n2/14.pdf

Publicado
2021-06-29
Como Citar
Vinícius Faria Dantas, M., Aguiar, E. C. S., Souza, L. F. de, Teixeira, N. A., & Siqueira, L. das G. (2021). Perfil das vítimas de acidentes de trânsito em uma cidade do norte de Minas Gerais. Bionorte, 10(2), 155-159. https://doi.org/10.47822/bionorte.v10i2.119
Seção
Artigos originais